quinta-feira, 15 de abril de 2010

Versos de Orgulho



O mundo quer-me mal porque ninguém
Tem asas como eu tenho! Porque Deus
Me fez nascer Princesa entre plebeus
Numa torre de orgulho e de desdém.

Porque o meu Reino fica para além …
Porque trago no olhar os vastos céus
E os oiros e clarões são todos meus !
Porque eu sou Eu e porque Eu sou Alguém !

O mundo ? O que é o mundo, ó meu Amor ?
O jardim dos meus versos todo em flor…
A seara dos teus beijos, pão bendito…

Meus êxtases, meus sonhos, meus cansaços…
São os teus braços dentro dos meus braços,
Via Láctea fechando o Infinito.

Florbela Espanca.

10 comentários:

Guttwein disse...

Nada contra quem pensa assim, até porque, ou existe a valorização interior(que acaba refletindo na exterior) ou as coisas não fluem como deveriam...
(Vir falar de orgulho para um Ariano? rsrs... muito conveniente)

Francorebel disse...

É um motivo de orgulho pra mim ler algo que vem do coração, entre tantos blogs pouco criativos e limitados... valeu!

Dany Ziroldo disse...

Florbela Espanca... muito bom!

Um poema dela que gosto muito é "Ser Poeta"

"Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!"

Tenha um ótimo restinho de semana!

Abraços,

Dany Ziroldo

Guilherme Bayara disse...

Como sempre uma maravilha.
Escrevendo tão maravilhosamente, não lhe faltam motivos para ter orgulho.

Afonso Júnior disse...

Bacana. Senti um pouco de narcizismo... Mas prefiro isso do que pessoas que se colocam como vítimas do mundo! Vou voltar mais vezes para ler novas coisas!
A foto tá fantástica!

Aline Bohn disse...

Gostei!
A parte mais linda "Porque trago no olhar os vastos céus"

http://www.mixofmonsters.blogspot.com/

B. disse...

Me lembrei do poema "Ismália", não me lembro o nome do autor mas ele é hiper famoso (e ótimo)
"Quando Ismália adoeceu, poi-se na torre a sonhar, viu uma lua no céu, viu uma lua no mar..."
E Ismália vivia tão presa no mundinho dela e tão lunática e iludida, que achou que seria uma boa ideia ter duas luas, uma do céu e outra do mar! E o poema acaba com Ismália se jogando no mar para obter a lua dlai, e a alma sobe ao céu.
Acho que Ismália poderia só descer da torre e ir nadar um pouco pra refrescar as ideias!
=D
P.S: Isso não é uma critica negativa ao seu poema, ao contrário, tá ótimo! Adimiro muuuiiito quem faz poema, é algo extremamente difícil e tem que ter mta inspiração divina! Parabéns!

Karla Hack disse...

Sentindo o mundo como seu reino... as vezes é difícil notar o todo e compreender este infinito, se já particularmente se é o infinito...


a poesia Ismália citada acima é de Alphonsus de Guimarães... é uma das minhas preferidas

Karla Hack disse...

Acrescentando: Florbela sempre mexe comigo...
Os versos dela são tão pessoais que em muitas vezes me pego pensando... Como ela poderia saber dos meus sentimentos antes mesmo de eu nascer?


Só passei para avisar que eu estou seguindo.

Luciana Donadeli disse...

Olá, sou a dona do Querida Amélie. Estou um pouco ausente por lá e talvez ele fique parado por um tempo. Mas não deixarei de passar por aqui!