sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

A solidão é uma coisa compartilhada. Por mais que não se veja, ao redor, os que sofrem desta mesma sintonia. O que se pode afirmar a partir dessas considerações é que todos os abandonados pelo mundo nesse universo próprio e solitário gostariam de encontrar pelo caminho aqueles acometidos pelos mesmos erros, ou quem sabe, acertos.
Solidão pode ser estado ou permanência. Quando é que se sabe que se passa de um nível a outro? Deve ser quando além de você não receber mais telefonemas, não quiser recebê-los, porque você, simplesmente, não conhece alguém que possa te ligar ou já esqueceu da sensação de ser lembrado.
Os solitários são desconectados. Alguma coisa se rompeu no seu caminho de comunicação com o resto da sociedade. Muitos deles preferem fazer proveito de sua própria situação. Outros muitos sofrem com a mesma.
Quando será que dão início ao ciclo? Deve ser a partir do momento certo em que são concebidos na barriga de sua mãe, onde tudo parece tão calmo e tranqüilo. A partir do nascimento tudo fica mais confuso. Aquela sensação uterina parece ser demasiado prazerosa para ser desperdiçada. Afinal, quando se está abandonado à própria sorte, ninguém se mete em seu caminho, não é preciso lidar com as divergências do outro ou aceitar seus defeitos. Só é necessário aprender a suportar a si mesmo, na sua solidão.

Ao som de Cat Power e sua “Fool”.
Texto tosco e sem nexo.

4 comentários:

Victória Andressa disse...

Não existe nada pior do que "suportar a si mesmo na sua propria solidão", os sentimentos tem que ir pra algum lugar, sair, serem ouvidos. Concordo com o que voce disse de eles serem desconectados, são como uma peça a mais no quebra cabeças da sociedade, eles simplesmente não encaixam em lugar nenhum. Sobram. Adorei o texto e o blog!

Fillipe Morais disse...

O texto está muito bom , alias seu blog está muito bom mesmo. Parabens.
Depois da uma passadinha no meu !
www.fillipemorais.wordpress.com

Nebdes disse...

Maassa o Blog

http://6boyslife.blogspot.com/
vai lá :P

Nayara Herrera disse...

nada de sem nexo hahaha
me identifico muito com todos esses textos daqui! tô lendo a pouco tempo e tô gostando muito.